Acessos
Sexta, 14 de dezembro de 2018
82 9 8139-0717 Anuncie seu produto ou serviço com a gente

28º

Min 20º Max 28º

Muito nublado

Palmeira Dos Indios - AL

às 12:31
Política

25/07/2018 ás 14h11

70

Silvanio Rocha/DRT Registro Profissional 1448

Poço das Trincheiras / AL

Delator descreve “delivery de propina” para Fernando Collor
Ângulo Lopez afirmou ter levado o dinheiro amarrado nas pernas até o apartamento do senador.
Delator descreve “delivery de propina” para Fernando Collor

O delator Rafael Ângulo Lopez, relatou em depoimento uma entrega de R$ 60 mil originários de propina ao senador Fernando Collor (PTC-AL). Segundo o jornal O Globo, Ângulo afirmou ter levado o dinheiro amarrado nas pernas até o apartamento do senador.


Collor é réu em uma ação penal no Supremo Tribunal Federal, por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e participar de organização criminosa. A ação é ligada à Lava Jato. O pré-candidato à Presidência da República é acusado de receber cerca de R$ 30 milhões em propina, entre 2010 e 2014, por contratos da BR Distribuidora.


No depoimento, o delator afirma que Collor não tocou no dinheiro, e pediu que a quantia fosse deixada na antessala de um apartamento em São Paulo, no bairro da Bela Vista.


“Ele não pôs a mão no dinheiro, mas pediu para deixar nessa mesa. Eu disse para ele: "trouxe 60, o senhor sabe?" E ele respondeu. "Sei". Eu deixei ali, acabei me despedindo, ele me acompanhou até a porta e eu desci”, afirmou no depoimento Ângulo Lopez, que também afirmou que os R$ 60 mil estavam em notas de R$ 100 e que não sabia que o “senhor Fernando” a quem entregaria a propina era Fernando Collor. O sistema de entrega de dinheiro de propina em casa foi criado pelo doleiro Alberto Youssef.


O delator também detalhou como eram feitos depósitos de propina, inclusive a Collor, para evitar chamar a atenção das autoridades. Para Collor, um depósito de R$ 20 mil, relata ele, foi feito em caixa eletrônico e fracionado em três, um de R$ 8 mil, outro de R$ 9 mil e outro de R$ 3 mil.


Também são réus na denúncia aceita no ano passado o ex-ministro do governo Collor Pedro Paulo Bergasmaschi de Leoni Ramos, apontado como operador do ex-presidente em diversos negócios; e Luís Pereira Duarte de Amorim, diretor da Gazeta de Alagoas e suposto “testa de ferro” do senador alagoano.


Fonte: Congresso em foco





 




O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium